Serviços

Confira dicas para montar um serviço de frete e transporte de pequenas cargas

Com o crescimento do e-commerce, os serviços de entrega cresceram em demanda e cumprem um papel estratégico na economia

No início das atividades do novo negócio, é comum o frete e o transporte ocorrerem dentro do perímetro urbano das cidades. Geralmente operando com transporte de cargas fracionadas, esse tipo de serviço pode ser utilizado para o transporte de mercadorias dos mais diversos tipos, sejam elas perecíveis ou de grande valor agregado.

Segundo a consultora do Sebrae/PR, Kellen Oliveira, o setor se tornou ainda mais promissor diante das novas necessidades e do perfil de consumo que surgiu junto com a pandemia. Compras online e adaptação do modo de fazer compras foram fatores determinantes para impulsionar os negócios deste segmento.

“Na medida em que as compras nos meios digitais aumentam, também cresce a demanda por empresas ou empreendedores para serviços de entrega. Não somente para a logística com pequenos volumes, mas para distribuição de mercadorias de forma mais rápida e local”, analisa Kellen.

Em Cascavel, região oeste do Paraná, Rodrigo Capelette aproveitou a maré favorável e, depois de 15 anos trabalhando em uma empresa de fretes, decidiu abrir o próprio negócio no setor no começo de 2020. Durante um tempo, focou no frete de mudanças e, por isso, decidiu abrir o registro de MEI para oferecer mais segurança aos clientes. Poucos meses depois, mudou os rumos do negócio e, com o apoio do Sebrae/PR, formalizou processos dentro da empresa.

“Hoje, tenho o MEI, consigo emitir nota fiscal e, por isso, tenho abertura para trabalhar em empresas maiores transportando hortifruti e produtos perecíveis de mercado. Para dar conta, me capacitei nos cursos de gestão do Sebrae e consigo ter mais organização para calcular os custos e obter o lucro”, enaltece o empresário.

Para quem também pretende seguir os caminhos trilhados por Rodrigo, neste novo episódio da série “Sonho Empreendedor”, o Sebrae separou 5 dicas.  A ideia de negócio no setor foi uma dos mais procuradas no Portal do Sebrae no ano passado.

  1. Antes de qualquer coisa, elabore um plano de negócio detalhado

O plano de negócio é o melhor instrumento para traçar o retrato fiel do mercado, do produto e das atitudes do empreendedor. Ele é uma ferramenta de planejamento para tornar a sua ideia de negócio sustentável, utilizada por quem está iniciando um negócio, quem está expandindo, por quem está viabilizando uma atividade e até mesmo por aqueles que precisam de capital de terceiros. No Portal Sebrae, o empreendedor encontra diversos cursos online gratuitos com orientações de como elaborar o plano de negócio. Se possível ainda, antes de iniciar o negócio, procure conhecer as diversas percepções sobre o mercado, visitando os concorrentes e potenciais clientes, identificando os pontos fortes e fracos que o setor de transporte de pequenas cargas apresenta.

  1. Escolha uma localização do escritório ou ponto de parada que dê visibilidade ao seu negócio

Uma das vantagens de uma empresa de transporte de pequenas cargas é não precisar se preocupar com a localização do seu escritório, pois geralmente os serviços são contratados por telefone. No entanto, é fundamental que o empreendedor esteja atento ao aspecto da localização para atender com qualidade o cliente. Por isso, escolha um local de boa visibilidade para que os passantes vejam a empresa ou o veículo de transporte. É imprescindível que as instalações da empresa estejam perto dos locais de maior procura. Também é importante analisar se o local onde o veículo ficará, tem facilidade de saída em momento de concentração de trânsito ou bloqueios para veículos de cargas.

“Nesse sentido, é importante priorizar a logística: quanto mais próximo o empreendedor estiver do local em que irá atender, maiores serão as chances de reduzir custos e cumprir horários com mais pontualidade na entrega. Nesse setor, o consumidor não se preocupa tanto com a estrutura física e sim com a prestatividade do atendimento”, aconselha a consultora.

  1. No início das atividades, recomenda-se o uso de uma estrutura alugada

Para reduzir os investimentos iniciais da operacionalização do novo negócio, sugere-se que o empreendedor faça o uso de uma estrutura alugada. Nas primeiras fases de desenvolvimento da operação, considere se é necessário - de fato - uma estrutura física e avalie com clareza os custos adicionais desse investimento. De qualquer forma, a estrutura para quem está começando é bem simples, mas deve considerar alguns pontos, como local para guardar os veículos com segurança, ambiente para receber clientes, caso opte por montar um escritório - até mesmo em sua própria residência. Não esqueça que além de velocidade e pontualidade nas entregas, as pessoas que buscam esse tipo de serviço procuram acima de tudo segurança e confiabilidade.

  1. Avalie as habilidades essenciais que seus funcionários devem ter antes de contratá-los

Para quem está começando, a equipe pode ser composta basicamente por um motorista e um ajudante. Desta forma poderá legalizar a empresa como Microempreendedor Individual (MEI). Mesmo assim, é importante estabelecer metas para que sua empresa cresça e – nesse momento – serão necessários mais funcionários para auxiliar nos processos de transporte. Em todo caso, para que o seu negócio tenha sucesso, avalie se os profissionais de transporte da sua empresa possuem habilidades essenciais, como conhecimento prático sobre a melhor forma de acondicionar materiais e objetos, capacidade para trabalhar sobre pressão e dinamismo para lidar com imprevistos, além de boa comunicação para se relacionar com diversos tipos de pessoas, seja de um comércio ou residência.

  1. Conheça bem o processo produtivo de uma empresa de transporte

Um dos maiores desafios ao prestar um serviço de transporte é o cumprimento de horários. Dessa forma, o principal diferencial do seu negócio deve ser a rapidez na entrega e a segurança no transporte. Seja qual for o modelo de entrega que for atuar, é preciso conhecer bem o processo produtivo de uma empresa de transporte para evitar falhas que podem causar prejuízos financeiros e a perda de clientes importantes. As etapas do serviço de transporte são bem definidas e estão divididas em pedido, precificação, coleta e translado.

“Outra questão essencial é se atentar para a divulgação do negócio. Muitas vezes, por ser um setor bastante dinâmico, os consumidores não criam uma relação de fidelidade. Mas isso pode mudar se a empresa oferecer diferenciais no atendimento, no pós-venda e até na forma com que faz a entrega”, finaliza Kellen Oliveira.

Para mais informações e orientações completas, conheça a página “Ideias de Negócios” no Portal Sebrae.