Finanças

Sociedades Garantidoras de Crédito ajudam pequenos negócios a manter as portas abertas

Somente no período da pandemia, 3.710 empreendedores foram atendidos pelas SGC, que fornecem garantias para a obtenção de crédito

Sem alternativa para contornar a crise ocasionada pelo novo coronavírus, o empresário Maurício Chagas Calassa, proprietário da Sensassom Áudio System, de Guarapuava, na região Centro do Paraná, recebeu aval da Sociedade Garantidora de Crédito (SGC) para obter crédito junto a uma instituição financeira e contou ainda com a indicação das melhores condições de taxas e carências. Com todos os eventos cancelados em função da pandemia, o empresário, que atua há 34 anos no ramo de eventos, viu seu faturamento despencar.

Gerador de 12 empregos, entre diretos e indiretos, Calassa afirma que, antes da pandemia, realizava em torno de 25 eventos por mês. “O crédito veio como um fôlego até que tudo volte dentro do novo normal, o que deve ocorrer a partir de novembro”, projeta. Segundo ele, o processo para a obtenção de crédito foi ágil graças ao papel da SGC, que auxiliou na tomada de decisões. “É um recurso que está ajudando a manter minha empresa viva”, frisa.

O empresário está entre os 3.710 empreendedores atendidos pelas SGC no período de março a agosto deste ano. O sistema funciona como uma associação entre empresários e instituições financeiras, fornecendo garantias (aval, fianças) para a obtenção de crédito. Em linhas gerais, as SGC ajudam no acesso ao crédito, ofertam garantias, assessoram a empresa durante o processo e buscam as melhores condições de taxas e pagamentos.

Somente de março a agosto deste ano, as seis SGC do Paraná – instituídas com a articulação e aporte financeiro no fundo garantidor pelo Sebrae/PR - atingiram a marca de R$ 162,5 milhões em garantias concedidas às micro e pequenas empresas do estado. Desde o início das operações, em 2008, até o momento, o montante chega a R$ 613,8 milhões.

“A Sociedade Garantidora de Crédito tem uma particularidade que é o olho no olho,  conhecer a história de cada empreendedor, o atendimento personalizado e, principalmente,  orientar os empresários na busca pelo crédito saudável e acompanhá-los até o final do processo”, reforça o coordenador estadual de Capitalização e Serviços Financeiros do Sebrae/PR, Amberson Bezerra da Silva.

Em Maringá, na região Noroeste, a empresária Simone Daiane Rosas, proprietária do Tacoss Cozinha Mexicana, conta que, com a pandemia, precisou dispensar seis dos 12 funcionários. Para isso, utilizou parte do capital de giro da empresa. Com o objetivo de não recorrer à utilização do limite da conta no banco, a empreendedora buscou a assessoria da SGC para contornar a situação e ganhar fôlego com a despesas.

“Reabrimos há três semanas o restaurante para o atendimento presencial. Mesmo assim, tivemos uma redução no fluxo de clientes de aproximadamente 90% durante a semana e de 70% nos fins de semana. Em compensação houve um incremento no delivery, que nos dá um retorno menor do que o presencial, mas que ajuda a manter o negócio”, diz.

O empresário Júnior André Destefeni, proprietário da Refrigeração Fique Frio, em Toledo, no Oeste do Paraná, que já conhecia a SGC antes mesmo da pandemia, buscou novamente auxílio para obter crédito e minimizar os impactos da crise. A primeira medida adotada na empresa, fundada há 28 anos, foi o corte de despesas, com o objetivo de manter os 12 postos de trabalho. Posteriormente, houve a necessidade de buscar crédito.

Júnior André Destefeni buscou auxílio para minimizar os impactos da crise

Aproximadamente 30% do recurso obtido, segundo ele, será utilizado para capital de giro da empresa e o restante para futuro investimentos. “Com o cenário incerto, ainda não tenho definido no que vou investir, mas acredito que já tivemos outros períodos instáveis economicamente e politicamente no país. É preciso se reinventar, ter um mix de produtos e serviços e estar presente nas mídias digitais”, reforça.

No Brasil existem 14 SGC em operação que juntas já concederam garantias de crédito há mais de 17 mil pequenos negócios, representando o volume de R$ 522 milhões em garantias e R$ 732 milhões em crédito concedido junto a Instituições Financeiras conveniadas. O Sebrae é parceiro das SGC por meio da disponibilização de recursos para a formação de Fundo de Risco Local (FRL), os quais juntamente com recursos de parceiros e da própria SGC, possibilitam o apoio a pequenas empresas formalizadas na concessão de garantias de crédito para os pequenos negócios.

 

Contato para imprensa:
Patrícia Biazetto - (42) 98827-9194
Adriano Oltramari – (41) 3330-5895 / (41) 99232-0502